publicidade

Notícias

MPE denuncia 2 servidores por falsificação de diploma em MT

Cuiabá - MT, postado em 09.06.2019 às 20:18hs | Fonte: Olhar Direto | Por: Tarley Carvalho

O promotor de Justiça da 4ª Promotoria de Justiça Cível de Cáceres, Anderson Yoshinari Ferreira da Cruz, ofereceu à 4ª Vara Cível da Comarca de Cáceres uma Ação Civil Pública por Ato de Improbidade Administrativa contra A.P.Q. e A.C.S. Os dois são acusados de falsificar diplomas que atestariam suas pós-graduações em nível de Mestrado. A denúncia chegou ao MP por meio da Unemat (Universidade do Estado de Mato Grosso). O documento é do dia 3 de junho.

“Pois bem, extrai-se dos documentos carreados ao presente inquérito civil que se enquadram nesse conceito, indubitavelmente, os servidores A.C.S. e A.P.Q. que, ao apresentarem documento público falsificado, qual seja, diploma de pós-graduação de Mestrado em Educação, visando fim proibido em lei, agiram em desrespeito às leis e aos princípios que regem toda a Administração Pública, notadamente em relação aos deveres de honestidade, legalidade e lealdade, atos ímprobos que violam normas proibitivas expressas”, cita o documento.

De acordo com a peça, os dois se valeram da falsificação para conquistar elevação de nível profissional e, consequentemente, aumento salarial. Na denúncia, o MP requer a aplicação de multa diária contra os dois, sem especificar valor; suspensão dos direitos políticos pelo prazo de três anos; pagamento de multa civil em valor equivalente à duas vezes o valor dos salários recebidos pelos dois homens; proibição de contratar com o Poder Público, assim como de receber benefícios da Administração.

Antes de oferecer a denúncia, o MP realizou investigações, por meio de Inquérito Civil (IC), oportunidade em que foi possível coletar de A.C.S. o depoimento de que em setembro ou outubro do ano passado, uma pessoa com crachá da Unemat foi à escola onde trabalha, oferecendo cursos na instituição. Na ocasião, A.C.S. passou a conversar com a pessoa, com quem comentou que estava encontrando dificuldades em validar seu diploma de mestrado, feito no Paraguai. Ele ainda depôs que estava prestes a se aposentar pela Seduc (Secretaria de Estado de Educação). Na negociação, o servidor acabou pagando o valor de R$ 1,1 mil no esquema, para que a pessoa conseguisse validar seu diploma.

Já A.P.Q. informou ao MP, em depoimento, que pagou o valor de R$ 4 mil para falsificar o diploma, com selo da Unemat, mas nunca chegou a o utilizar. Porém, durante as investigações, o MP conseguiu coletar provas de que ele utilizou o diploma durante um processo seletivo para contratação de professores temporários. Ele já responde criminalmente pelo fato.

publicidade

Deixe seu comentário!

publicidade
publicidade
publicidade
publicidade
publicidade

Veja Também

publicidade
publicidade
publicidade

2019 - Todos os direitos reservados ao Website Servidores MT - A.A.DA COSTA PROPAGANDA - CNPJ 10.172.291/0001-59. Fale com a redação (65) 9984-1353 / contato@servidoresmt.com.br